domingo, 8 de maio de 2016

Between Us






Dessa vez era diferente. A paixão estava mais calma. O beijos mais certos de que não cessariam.



  Pense da seguinte forma:
Você está num corredor cheio de portas. Cada uma delas representa uma relação amorosa. Então uma delas se abre pela primeira vez.


Você entra,mas não sabe exatamente o que esperar.  Tudo é novo. Magico e então você é lançado pra fora sem ao menos  terminar de ver tudo. Seu desejo de imediato é tentar entrar novamente. Sem sucesso. Resta prosseguir e tentar abrir as próximas.


Você é lançado para fora novamente em algumas delas. Outras sai por vontade própria. Volte e meia uma dessas portas te levam para lugares não habitáveis por fim várias permanecem trancadas mesmo que você tente abrir. 



Até que um dia você encontra uma entreaberta. Alguém havia saído dela e não voltaria. Você entra e percebe que já esteve ali, mas não como morador. Era um visitante. Agora era diferente. 


É engraçado pensar que tudo que você idealizou podia estar ao seu alcance. Claro que eu depositava toda essa fantasia em uma pessoa inexistente. Sonhando acordado. Pensando por momentos que a pessoa nem ao menos estava em meu país. Voltando a antigas paixões - aquelas não correspondidas e acreditando que minha oportunidade de ser feliz estava lá. Assistindo filmes fechando os olhos e fingindo viver tudo aquilo. Querendo sentir o que os personagens sentem. E no final a pessoa estava mais próxima do que imaginava. 


Agora vejam só. Estou vivendo tudo aquilo que sempre assisti. É real. Dessa vez simplesmente aconteceu. Não foram necessários qualquer sacrifícios como mudança de gostos, falar menos, mudar meu senso de humor nem  Perda de sono. Não é por pena nem por que acho que é certo estar com essa pessoa.  Até porque se formos analisar é uma relação complicada aos olhos de muitos, contudo cada parte do meu corpo sabe que é algo realmente certo. Algo meu.  Ainda que no futuro a pessoa mude de ideia. No momento ela é minha. 



Os beijos. De todas as formas, delicados, demorados, ligeiros e agressivos. Basta fechar os olhos e sentira aqueles lábios agora mesmo. A sensação é maravilhosa. Não estou beijando um estranho. Não há desconforto algum em sua presença. Poderia lhe contar qualquer coisas. Pedir qualquer coisa assim como ouvir. Conheço seu maior segredo e o guardarei para sempre. Assim como guardará todos os meus pedidos estranhos - Obrigado por subir naquela arvore e me beijar. 


Nós nos refugiamos dentre as arvores. E em nossa clareira enquanto um repete o nome do outro tentando assimilar como chegamos até ali. Todos aqueles planos que sempre foram compartilhados agora fazem parte de uma coisa só e quando simplesmente nos ficamos nos olhando.  Minha certeza aumenta de que...









Essa é a última porta.




Uma brisa  no outono. Tudo  é tão natural que você não sente pressa de desvendar os mistérios. Até porque você conhece aquele lugar. Mas agora é o seu lar.



 O desejo continua  inevitavelmente forte, mas não há emergência de realizar tudo em um só dia. O conforto que os moveis te proporcionam como um delicado beijo a fazem ter certeza de que tudo continuará ali quando amanhecer.




 Afinal. Esse é o seu lar. Para sempre.

Nenhum comentário:

Postar um comentário