quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

As duas versões de um coração partido.



Lembro me até hoje de quando a Carrie terminou com Aidan, o cara perfeito, para correr atrás do Big. Na época eu a critiquei muito. Como ela pôde?? Trocar um cara daqueles. Desistir de um casamento. Uma vida planejada por algo instavel. Numa dessas de a vida imita a arte finalmente compreendi o que se passava na cabeça dela.


2015 foi um ano de muitos acontecimentos na minha vida, mas agora falemos apenas da parte amorosa. Eu tive várias paixões e passei por dois relacionamentos - isso é muito mais do que tive a minha vida inteira - acredite.  As duas relações me proporcionaram muito carinho e eram vista como perfeitas - principalmente a segunda que durou 4 meses. Eu aprendi muito - acredito que nós e isso também inclui minha mãe que mudou muito após presenciar esse namoro. Foi um choque para algumas pessoas quando souberam do término. Tão repentino - para elas. 


Já haviam um tempo que uma tempestade se formava em minha cabeça. Os beijos já não tinham mais a mesma graça. A distancia já não causava mais saudades. Já não estava mais apaixonado. A pressão do relacionamento perfeito era muito grande, porém após uma conversa com minha mãe eu cheguei a conclusão de que não poderia ficar nessa por causa dos outros.  



Claro que eu minha atitude não foi compreendida. Pessoas que antes eram amigáveis passaram a não a não andar no mesmo corredor que eu. Eu quebrei um coração mesmo tentando ao máximo evitar que acabasse assim. Eu tentei fazer da certo. Não foi o suficiente. no início eu senti compaixão até fiquei chateado por imaginar que nem uma amizade poderia florescer dali. E para cada pessoa que levantava a hipótese eu já deixava claro que isso raramente acontece. Sei disso pois eu lembro do meu primeiro término. Foi horrível e passei por todas as fases. Tristeza - raiva - desprezo- indiferença. Sabia que seria da mesma forma, contudo temos muitos amigos em comum então foi inevitável nos evitarmos para sempre e num desses encontros ele disse que estava tudo bem. Que poderíamos ser amigos não durou mais que três dias e percebi o quanto EU estava certo. Isso não vai acontecer. Era um teatro.




Aos poucos a raiva substituiu a compaixão. Por que eu tenho que ser taxado como vilão? E quanto ao que eu quero? Irrelevante? Deveria fingir um relacionamento para que a outra pessoa fosse feliz Enquanto toda noite a tristeza me afoga. Isso não está certo. Por  que ele tem que roubar meus amigos? - é o que parece. Quando todos os dele viram o rosto a passar por mim os meus o recebem de braços abertos. Estou com um completo desprezo por essa situação. Enojado com o assunto. Cansei. Agora quem não vai deixar florescer uma amizade sou eu. Pode ser taxado como infantil ou até mesmo um definitivo vilão, mas dessa vez isso não vai me afetar. Estarei em completa indiferença. Só espero que ele conheça logo alguém e seja feliz bem longe daqui e eu finalmente poderei encontrar um grande amor longe dos olhos que me desejam um coração partido. Como se eu nunca tivesse passado por isso.



Em alguns momentos sinto vontade de voltar no tempo e ter cortado isso logo no início ´´quando uma amiga disse que alguém queria me conhecer´´, porém penso em como mudei após esses quatros meses - até mesmo o relacionamento com minha mãe. Tivemos muitos momentos bons. Guardei todas as cartas. Infelizmente o conto de fadas acabou. Está na hora de pegar um novo livro para ler. Cansei desse assunto. E parem de assistir apenas a Bela Adormecida! gente, existe a versão da Malévola também.



Ah e só para finalizar porque não existe músicas tristes abordando esse lado da história? Eu tive que escutar as da outra versão. E quanto tem retrata a outra pessoa como escrota, mas não é o meu caso. Quero uma música que fale sobre encontrar um grande amor e como é uma busca difícil. Se souberem me avisem!



Bjos e até breve o/ 

Nenhum comentário:

Postar um comentário